Header Ads

DUAS EQUIPES DE CIENTISTAS ESTÃO SE PREPARANDO PARA ENVIAR MENSAGENS AOS ALIENÍGENAS


 Não é uma ideia nova, mas deveríamos realmente estar transmitindo nossa existência para quem está ouvindo?

O astrônomo Chris Impey, da Universidade do Arizona, analisa os prós e os contras

Se uma pessoa está perdida no deserto, ela tem duas opções. Eles podem procurar por civilização, ou podem se tornar fáceis de localizar acendendo uma fogueira ou escrevendo AJUDA em letras grandes. Para os cientistas interessados ​​na questão da existência de alienígenas inteligentes, as opções são praticamente as mesmas.

Por mais de 70 anos, os astrônomos têm escaneado sinais de rádio ou ópticos de outras civilizações em busca de inteligência extraterrestre, chamada SETI. A maioria dos cientistas está confiante de que existe vida em muitos dos 300 milhões de mundos potencialmente habitáveis ​​na Via Láctea. Os astrônomos também acham que há uma boa chance de algumas formas de vida terem desenvolvido inteligência e tecnologia. Mas nenhum sinal de outra civilização foi detectado, um mistério que é chamado de "O Grande Silêncio".

Embora o SETI seja parte da ciência convencional, o METI, ou inteligência extraterrestre de mensagens, tem sido menos comum.

Sou um professor de astronomia que escreveu extensivamente sobre a busca de vida no universo. Também sirvo no conselho consultivo de uma organização de pesquisa sem fins lucrativos que está projetando mensagens para enviar a civilizações extraterrestres.

Nos próximos meses, duas equipes de astrônomos enviarão mensagens ao espaço na tentativa de se comunicar com qualquer alienígena inteligente que possa estar ouvindo.

Esses esforços são como construir uma grande fogueira na floresta e esperar que alguém o encontre. Mas algumas pessoas questionam se é sábio fazer isso.

A história do METI

As primeiras tentativas de contato com a vida fora da Terra eram mensagens quixotescas em uma garrafa.

Em 1972, a NASA lançou a espaçonave Pioneer 10 em direção a Júpiter carregando uma placa com um desenho de linha de um homem e uma mulher e símbolos para mostrar a origem da nave. Em 1977, a NASA seguiu com o famoso Golden Record anexado à espaçonave Voyager 1. Essas espaçonaves - assim como seus gêmeos, Pioneer 11 e Voyager 2 - já deixaram o sistema solar. Mas na imensidão do espaço, as chances de que esses ou quaisquer outros objetos físicos sejam encontrados são fantasticamente minúsculas. A radiação eletromagnética é um farol muito mais eficaz. Os astrônomos transmitiram a primeira mensagem de rádio projetada para ouvidos alienígenas do Observatório de Arecibo em Porto Rico em 1974. A série de 1s e 0s foi projetada para transmitir informações simples sobre a humanidade e a biologia e foi enviada para o aglomerado globular M13. Como M13 está a 25.000 anos-luz de distância,

Além dessas tentativas propositais de enviar uma mensagem a alienígenas, sinais rebeldes de transmissões de televisão e rádio vazaram para o espaço por quase um século. Esta bolha cada vez maior de balbúrdia terrestre já atingiu milhões de estrelas. Mas há uma grande diferença entre uma explosão focalizada de ondas de rádio de um telescópio gigante e um vazamento difuso - o sinal fraco de um programa como "I Love Lucy" desaparece abaixo do zumbido de radiação que sobrou do Big Bang logo após deixar o sistema solar.

Enviando novas mensagens

Quase meio século após a mensagem de Arecibo, duas equipes internacionais de astrônomos estão planejando novas tentativas de comunicação alienígena. Um está usando um novo radiotelescópio gigante e o outro está escolhendo um novo alvo atraente.

Uma dessas novas mensagens será enviada do maior radiotelescópio do mundo, na China, em algum momento de 2023. O telescópio, com 500 metros de diâmetro, emitirá uma série de pulsos de rádio sobre uma ampla faixa do céu . Esses pulsos liga-desliga são como os 1s e 0s da informação digital.

A mensagem é chamada de "O Farol na Galáxia" e inclui números primos e operadores matemáticos, a bioquímica da vida, formas humanas, a localização da Terra e um carimbo de hora. A equipe está enviando a mensagem para um grupo de milhões de estrelas perto do centro da Via Láctea, a cerca de 10.000 a 20.000 anos-luz da Terra. Embora isso maximize o conjunto de alienígenas em potencial, significa que levará dezenas de milhares de anos até que a Terra receba uma resposta.

A outra tentativa visa apenas uma única estrela, mas com potencial para uma resposta muito mais rápida. Em 4 de outubro de 2022, uma equipe da Estação Terrestre Goonhilly Satellite na Inglaterra enviará uma mensagem para a estrela TRAPPIST-1. Esta estrela tem sete planetas, três dos quais são mundos semelhantes à Terra na chamada "zona Cachinhos Dourados" - o que significa que eles podem abrigar líquido e potencialmente vida também. TRAPPIST-1 está a apenas 39 anos-luz de distância, então pode levar apenas 78 anos para que a vida inteligente receba a mensagem e a Terra receba a resposta.

Questões éticas

A perspectiva de contato com alienígenas está repleta de questões éticas, e o METI não é exceção.

A primeira é: Quem fala pela Terra? Na ausência de qualquer consulta internacional com o público, as decisões sobre qual mensagem enviar e para onde enviá-la estão nas mãos de um pequeno grupo de cientistas interessados.

Mas há também uma questão muito mais profunda. Se você está perdido na floresta, ser encontrado é obviamente uma coisa boa. Quando se trata de saber se a humanidade deve transmitir uma mensagem aos alienígenas, a resposta é muito menos clara.

Antes de morrer, o físico icônico Stephen Hawking falou abertamente sobre o perigo de entrar em contato com alienígenas com tecnologia superior. Ele argumentou que eles poderiam ser malignos e, se dada a localização da Terra, poderiam destruir a humanidade. Outros não veem risco extra, pois uma civilização verdadeiramente avançada já saberia de nossa existência. E há interesse. O bilionário russo-israelense Yuri Milner ofereceu US$ 1 milhão pelo melhor design de uma nova mensagem e uma maneira eficaz de transmiti-la.

Até o momento, nenhum regulamento internacional rege o METI, então os experimentos continuarão, apesar das preocupações.

Por enquanto, os alienígenas inteligentes permanecem no reino da ficção científica. Livros como "The Three-Body Problem" de Cixin Liu oferecem perspectivas sombrias e instigantes sobre como pode ser o sucesso dos esforços do METI. Não termina bem para a humanidade nos livros. Se os humanos fizerem contato na vida real, espero que os alienígenas venham em paz.