Header Ads

QUEM É O DONO DO NAVIO SHACKLETON E O QUE ACONTECERÁ COM ELE?


 O Endurance pode ter sido encontrado, mas seu futuro permanece vinculado a uma quantidade significativa de burocracia.

O orçamento federal desta noite incluirá mais de 800 milhões de dólares australianos ao longo de dez anos para fornecer um "marcador claro" da "liderança científica" da Austrália na Antártida.

Os fundos serão destinados a drones e helicópteros em meio a preocupações crescentes (embora um pouco exageradas) sobre a atividade chinesa na região.

Mas os ativos políticos na região polar incluem brinquedos de última geração mais caros. No início deste mês, um dos naufrágios mais famosos da história, o Endurance de Sir Ernest Shackleton, foi descoberto no Mar de Weddell – uma parte da Antártida reivindicada por várias nações.

The Endurance

Há um entusiasmo enorme em torno da descoberta do Endurance.

O naufrágio fornece uma conexão física com um grande conto de sobrevivência humana, pois foi o navio usado durante a Expedição Transantártica Imperial de 1914-1916 do explorador britânico.

Ficou preso no gelo e acabou afundando. Notavelmente, nenhum dos homens morreu durante a provação, apesar de ter que acampar no gelo por meses durante um inverno austral.

Mas agora que o Endurance foi encontrado, quem o possui e quem deve cuidar dele?

O Tratado da Antártida A

Antártida é governada de forma diferente de outras partes do mundo. O Tratado da Antártida foi assinado em 1959, com sua primeira disposição afirmando que "A Antártida deve ser usada apenas para fins pacíficos". Também prevê a investigação científica gratuita e cooperativa no continente congelado e ao redor dele.

No momento da assinatura, sete países - Argentina, Austrália, Chile, França, Nova Zelândia, Noruega e Reino Unido - tinham reivindicações territoriais na região. Mas sob o tratado, nenhum país pode afirmar (ou negar) uma reivindicação de soberania territorial na Antártida.

Apesar dessa forte base legal, o patrimônio cultural oferece uma oportunidade para as nações - neste caso a Grã-Bretanha - afirmarem seu passado, bem como seu futuro pretendido, presença na região.

Locais históricos da Antártida

A Antártica é governada por meio de reuniões anuais, com a participação dos signatários do tratado. Nessas reuniões, os países podem designar vestígios históricos como locais ou monumentos históricos oficiais.

Na reunião de 2019, o Reino Unido propôs com sucesso o naufrágio do Endurance como um local histórico oficial, apesar de não saber sua localização ou estado na época. Depois de saber dos planos de ONGs para procurar o naufrágio, o Reino Unido disse que queria "confirmar o status de proteção da embarcação no caso de ser localizada".

O estatuto de "sítio histórico" protege: "todos os artefactos contidos ou anteriormente contidos no navio, que possam estar no fundo do mar dentro ou perto do naufrágio num raio de 150 metros".

Quem é o responsável pelo navio afundado?

A expedição Endurance22, apoiada pelo Falklands Maritime Heritage Trust, localizou o naufrágio em condições notáveis ​​há pouco mais de três semanas. Esta expedição tinha como tarefa procurar e inspecionar o naufrágio.

Desde 2019, o Reino Unido se designou efetivamente como gerente do local - que inclui os pertences pessoais e todos os artefatos no fundo do mar nas proximidades. O Reino Unido também declarou que o naufrágio não deve ser movido ou perturbado e apenas fotografado de acordo com diretrizes rígidas de patrimônio.

Isso também está de acordo com os comentários da neta de Shackleton, Alexandra Shackleton, que diz que não deve haver "remexer" e "o que quer que haja ficará lá".

Essas medidas preventivas são um tanto controversas porque o fundo do mar sobre o qual o Endurance repousa é uma área contestada entre o Reino Unido e a Argentina.

Embora, por definição, o fundo do mar não esteja dentro do território reivindicado, ele fica abaixo das águas pertencentes ao território reivindicado - o que significa que o naufrágio pode ser interpretado pela comunidade internacional como estando fora da jurisdição do Reino Unido.

Também digno de nota é que a própria confiança patrimonial a cargo da expedição é originária do território muito disputado entre os dois países - as Ilhas Malvinas/Ilhas Malvinas.

Outras complicações

Outro desafio é colocado pela Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar. Isso estabelece que os objetos arqueológicos e históricos encontrados no mar devem ser protegidos.

O navio usado para procurar o naufrágio foi fornecido pela África do Sul, enquanto o financiamento foi fornecido principalmente por fontes privadas e comerciais do Reino Unido. A África do Sul assinou a convenção, enquanto o Reino Unido concordou em cumprir suas regras, mas não é signatário.

Isso criou um sentimento de desconforto entre a comunidade de especialistas, que entende que, embora o naufrágio não seja de fácil acesso atualmente (por exemplo, está a mais de 3 quilômetros abaixo da superfície), com a evolução tecnológica, essa situação pode mudar.

O que acontece agora?

Em última análise, a gestão do sítio estabelecerá um precedente para o tratamento mais amplo do patrimônio cultural subaquático na região.

A grande questão que os formuladores de políticas e diplomatas enfrentam agora é se uma linha será traçada quando se trata de ter naufrágios ainda não encontrados reconhecidos internacionalmente como patrimônio.

Mais dois sites provavelmente testarão essa questão: o San Telmo e o SS Hampson. A Espanha propôs o San Telmo - um navio da marinha espanhola que afundou na Passagem de Drake em 1819, supostamente carregando os primeiros "humanos a viver e morrer" na Antártida - como um local histórico oficial na reunião de 2021.

Espera-se que o SS Hampson seja o grande veleiro de madeira não identificado naufragado em Hampson Cove, na Ilha Elefante. O Reino Unido é novamente o administrador do local, pois estabeleceu o status de patrimônio oficial da enseada em 1998.

Como as recentes descobertas de outros naufrágios, o Erebus e o Terror no alto Ártico, esses navios afundados representam mais do que apenas artefatos em deterioração.

Eles fornecem uma maneira para os países demonstrarem sua ocupação histórica de uma região onde as demonstrações tradicionais de soberania territorial são proibidas.