MISTÉRIO ENVOLVE O "HOMEM DO ETNA" ENCONTRADO MORTO EM UMA CAVERNA REMOTA


 A polícia italiana descobriu os restos mortais de um homem que teria morrido há mais de 50 anos.

O indivíduo não identificado, que foi descoberto por um policial e seu cão de resgate alpino durante um exercício de treinamento em uma caverna nas encostas remotas do Monte Etna na Sicília, Itália, provou ser um mistério para os investigadores com especialistas forenses ainda trabalhando para determinar sua identidade.

Segundo relatos, ele tinha cerca de 50 anos quando morreu e foi encontrado vestindo uma calça comprida escura, um suéter de lã, uma camisa listrada e uma gravata preta. Ele também estava de posse de um chapéu de lã, uma capa de chuva verde-escura e uma quantidade de velha lira italiana - moeda que não é mais usada.

Ele também foi descrito como tendo "malformações congênitas no nariz e na boca".

“A área é muito isolada, vamos lá periodicamente para fazer nosso treinamento”, disse o Ten Cel Massimiliano Pacetto. "Foi graças ao cão farejador que os restos mortais foram encontrados".

De acordo com os investigadores da polícia, a caverna em que foi encontrado é extremamente difícil de alcançar, sugerindo que ele pode ter ficado preso lá dentro, sem conseguir escapar com segurança.

Até agora, nenhuma evidência foi encontrada para sugerir que ele foi assassinado.

Uma das linhas de investigação mais importantes no caso foi examinar relatos de pessoas desaparecidas na época em que o homem havia morrido, para ver se há algum registro dele.

Uma possibilidade é que ele possa ser Mauro De Mauro - um jornalista de 49 anos que desapareceu sem deixar vestígios em 1970. As investigações da época sugeriam que ele poderia ter sido sequestrado e morto pela máfia por saber de um assassinato que havia ocorrido na época.

O que ele estaria fazendo em uma caverna remota, entretanto, permanece incerto.