OS CIENTISTAS DESVENDAM OS SEGREDOS DA PAREIDOLIA


 Do Pé Grande na Lua ao rosto de Jesus em uma torrada - por que vemos rostos onde não existem?

A capacidade intrigante do cérebro de distinguir formas semelhantes a rostos em padrões abstratos é algo que abordamos muito ao longo dos anos, mas exatamente como esse processo funciona e o que o cérebro está realmente fazendo quando identifica um rosto que não existe - há muito permanece um mistério.

"De uma perspectiva evolucionária, parece que o benefício de nunca perder um rosto supera em muito os erros em que objetos inanimados são vistos como rostos", disse o autor do estudo, Professor David Alais, da escola de psicologia da Universidade de Sydney.

"Há um grande benefício em detectar rostos rapidamente, mas o sistema funciona 'rápido e solto' aplicando um modelo bruto de dois olhos sobre o nariz e a boca".

"Muitas coisas podem satisfazer esse modelo e, assim, acionar uma resposta de detecção de rosto".

De muitas maneiras, esse processo pode ser comparado a um programa de computador que escaneia uma imagem e detecta qualquer forma ou padrão que corresponda amplamente aos seus critérios de pesquisa.

Em humanos, pode acontecer de forma extremamente rápida - em uma pequena fração de segundo.

"Sabemos que esses objetos não são rostos verdadeiros, mas a percepção de um rosto perdura", disse o professor Alais.

"Acabamos com algo estranho - uma experiência paralela de que é um rosto atraente e um objeto. Duas coisas ao mesmo tempo".