O QUE CAUSOU O "GRANDE ESCURECIMENTO" DE BETELGEUSE


 Os cientistas finalmente determinaram exatamente o que fez com que a enorme estrela diminuísse de forma tão significativa em 2019.

A supergigante vermelha, que pode ser encontrada na constelação de Órion, certamente não é estranha às mudanças de intensidade, tendo passado por períodos de escurecimento e clareamento por milhares de anos.

Mais recentemente, no entanto, um período particularmente notável de baixa intensidade levou os cientistas a especular que pode estar prestes a se tornar uma supernova - produzindo uma explosão monstruosa de proporções estelares.

Agora, finalmente, uma explicação precisa para esse 'grande escurecimento' - como ficou conhecido - foi finalmente determinada e, como se constatou, não foi causado pela supernova de Betelgeuse.

Em vez disso, tudo tinha a ver com como as estrelas supergigantes vermelhas se expandem e perdem massa durante os estágios finais de suas vidas - expelindo poeira e gás em grandes quantidades para o espaço.

"Assistimos diretamente à formação da chamada poeira estelar", disse o co-autor do estudo Miguel Montarges, do Observatoire de Paris, França.

Esse processo acabou obscurecendo nossa visão da estrela, bloqueando sua luz e fazendo-a parecer mais fraca.

"Este processo gerou uma densa nuvem de poeira ao sul que bloqueou temporariamente grande parte da luz de Betelgeuse, nos dando o que vimos como o grande escurecimento", disse a astrônoma Emily M. Levesque, da Universidade de Washington.

É claro que Betelgeuse explodirá eventualmente, mas pode não ser por mais 100.000 anos.

Quando isso acontecer, certamente será um espetáculo digno.