RESÍDUOS DE GORDURA ENTRACADA EM CERÂMICAS APONTAM QUE HINDUS COMIAM CARNE


 Pesquisadores de universidades da Índia e da Europa analisaram resíduos lipídicos ​​em vasos de cerâmica antigos e encontraram sinais de que o consumo de alimentos de origem animal entre hindus há cerca de 4 mil anos. Os evidências incluem carne de porcos, bovinos, búfalos, ovinos e caprinos, bem como laticínios. Os utensílios eram usados em assentamentos rurais e urbanos no nordeste da Índia, nos atuais estados de Haryana e Uttar Pradesh. O estudo foi publicado no Journal of Archaeological Science nesta terça-feira (9).

A Dra. Akshyeta Suryanarayan, líder do estudo e atual pesquisadora de pós-doutorado disse que a análise de resíduos de lipídios envolve a extração e identificação de gorduras e óleos que foram absorvidos em vasos de cerâmica antigos durante seu uso no passado. "Os lipídios são relativamente menos propensos à degradação e foram descobertos na cerâmica em contextos arqueológicos em todo o mundo. No entanto, eles viram uma investigação muito limitada em cerâmicas antigas do Sul da Ásia”, ela relata em nota.

A análise isotópica de ácidos graxos durante a pesquisa permitiu a diferenciação de diferentes tipos de carne e leite animal, levando a uma maior compreensão do uso do recipiente e o que estava sendo cozido nele. Além disso, os pesquisadores viram que esses povos misturavam produtos vegetais e animais, formando receitas. 

A pesquisa também apontou o provável consumo de leite entre esses povos. “Há evidências diretas muito limitadas do uso de produtos lácteos em vasos, inclusive em vasos perfurados que foram sugeridos anteriormente como estando ligados ao processamento de laticínios”, conta Suryanarayan.



Segundo Cameron Petrie, autor sênior do estudo, os produtos usados em locais rurais e urbanos no noroeste da Índia remetem ao período Harappan Maduro, entre 2,6 mil e 1,9 mil anos a. C. “Isso sugere que, embora os assentamentos urbanos e rurais eram distintos e as pessoas que viviam neles usavam diferentes tipos de cultura material e cerâmica, eles podem ter compartilhado práticas culinárias e formas de preparar alimentos”, sugere Petrie.

Os resultados são importantes para ampliar a compreensão sobre os hábitos alimentares do Sul da Ásia, além da relação entre cerâmica e alimentos. "Nossa compreensão da história culinária do Sul da Ásia ainda é muito limitada, mas esses resultados demonstram que o uso de resíduos de lipídios, combinado com outras técnicas em bioarqueologia, tem o potencial de abrir novos caminhos interessantes para a compreensão da relação entre meio ambiente, alimentos, cultura material e sociedade ancestral no sul da Ásia proto-histórica”, conclui Suryanarayan.