COMETA S3 ERASMUS PODERÁ APARECER COM BRILHO NO FINAL DE NOVEMBRO


 O ano de 2020 tem sido generoso para os amantes dos cometas, e pode ser que mais um deles seja visto no céu noturno durante as últimas semanas de novembro e início de dezembro. Estamos falando do C/2020 S3 Erasmus, um cometa descoberto em setembro deste ano e pode ganhar mais brilho à medida que se aproxima do Sol.

Dificilmente será um espetáculo como aquele proporcionado pelo C/2020 F3 NEOWISE, que se tornou bem visível a olho nu durante vários dias consecutivos. É mais provável que o S3 Erasmus se torne um “cometa binocular” (do termo em inglês “binocular comets”), ou seja, só poderá ser visto através de um bom par de binóculos — como foram os cometas F8 SWAN, P1 NEOWISE e M3 ATLAS, por exemplo.


Foi na noite de 17 de setembro de 2020 que o astrônomo Nicolas Erasmus, membro da equipe do Projeto ATLAS-MLO (Asteroid Terrestrial-impact Last Alert System, localizado no Mauna Loa, Hawaii, EUA). Durante a pesquisa, uma pesquisa do ATLAS, o Cometa S3 Erasmus se apresentava como um astro de 18ª magnitude situado na constelação de Unicórnio, entre as estrelas 15 e 17 Monocerotis.

Com esta magnitude, o cometa não poderia ser facilmente visto com instrumentos simples, mas isso pode mudar nas próximas semanas. De acordo com informações do REA/Brasil (Rede de Astronomia Observacional), o S3 Erasumus já foi observado no Brasil, entre os dias 18 e 23 de outubro. Nesse intervalo de 5 dias, o brilho do cometa passou de magnitude 11,2 para 10,7; isso significa que ele já estava quase visível para binóculos de lentes 7x50.

Se ele continuar nesse mesmo ritmo de aumento no brilho, é possível que atinja a 7ª magnitude no final de novembro de 2020. Ou seja, tão visível quanto Ceres e só um pouquinho menos brilhante do que o necessário para ser visto a olho nu. Nessa ocasião, ele estará perto da constelação de Virgem, um pouco acima de Vênus.

Infelizmente, a janela de horário para ver o cometa será entre as 3h e 4h da manhã (em São Paulo), já que logo após o Sol já começa a lançar seus primeiros raios sobre a atmosfera terrestre. Em outras regiões do país não será muito diferente disso. Já no início de dezembro, o cometa estará na constelação de Libra, muito baixo no horizonte antes de o Sol nascer — o que é uma pena, pois nessa ocasião seu brilho será de 6ª magnitude, o suficiente para vê-lo a olho nu como um pontinho no céu.