BRILHO VERDE É VISTO NA ATMOSFERA DE MARTE PELO EXOMARS TRACE GAS ORBITER


O ExoMars Trace Gas Orbiter da ESA (Agência Espacial Europeia) detectou oxigênio verde brilhante na atmosfera de Marte – a primeira vez que essa emissão foi vista em um planeta que não a Terra.

Na Terra, o oxigênio brilhante é produzido durante as auroras polares quando elétrons energéticos do espaço interplanetário atingem a atmosfera superior. Essa emissão de luz movida a oxigênio dá às auroras polares sua bela e característica tonalidade verde.

A aurora, no entanto, é apenas uma maneira pela qual as atmosferas planetárias se iluminam. As atmosferas de planetas, incluindo da Terra e de Marte, brilham constantemente durante o dia e a noite, à medida que a luz do Sol interage com átomos e moléculas na atmosfera. O brilho do dia e da noite é causado por mecanismos ligeiramente diferentes: o brilho da noite ocorre quando as moléculas separadas se recombinam, enquanto o brilho do dia surge quando a luz do Sol excita diretamente átomos e moléculas como nitrogênio e oxigênio.

Na Terra, o brilho noturno verde é bastante fraco e, portanto, é melhor visto sob uma perspectiva do espaço – como retratado em muitas imagens espetaculares tiradas por astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS). Essa característica pode ser um problema ao procurá-lo em torno de outros planetas, pois suas superfícies brilhantes podem ocultá-lo.

Brilho aéreo na atmosfera da Terra observado a partir da Estação Espacial Internacional

Agora, esse brilho verde foi detectado pela primeira vez em Marte pelo ExoMars Trace Gas Orbiter (TGO), que orbita Marte desde outubro de 2016.

Jean-Claude Gérard, da Université de Liège, Bélgica, e principal autor do novo estudo publicado na Nature Astronomy, informou:

Uma das emissões mais brilhantes vistas na Terra decorre do brilho da noite. Mais especificamente, a partir de átomos de oxigênio emitindo um comprimento de onda de luz específico que nunca foi visto em outro planeta.

No entanto, prevê-se que essa emissão exista em Marte por cerca de 40 anos – e, graças ao TGO, a descobrimos.

Jean-Claude e seus colegas conseguiram detectar essa emissão usando um modo de observação especial do TGO. Um dos avançados conjuntos de instrumentos do orbitador, conhecido como NOMAD (Nadir and Occultation for Mars Discovery) e incluindo o espectrômetro ultravioleta e visível (UVIS), pode ser observado em várias configurações, uma das quais posiciona seus instrumentos para apontar diretamente para baixo na superfície marciana – também conhecido como canal ‘nadir’.

 #universomisterioso #space #universe