Universo Misterioso

OBJETO ARROKOTH PODE DESVENDAR MISTÉRIOS DA FORMAÇÃO PLANETÁRIA AFIRMA CIENTISTAS


A sonda New Horizons continua sua missão de explorar um pequeno objeto - o Arrokoth (anteriormente apelidado pela NASA de Ultima Thule), localizado no Cinturão de Kuiper, o anel de rochas espaciais além da órbita de Netuno. Essa é uma extensão da missão que estava prevista para acabar em 2015, mas continua revelando muito sobre como os planetas nascem.

Em 1 de janeiro de 2019, a New Horizons deu um zoom a 3.540 quilômetros de Arrokoth, um pedregulho de 36 km de largura. Este foi o sobrevoo interplanetário mais distante da história dos voos espaciais. Arrokoth está a 6,6 bilhões de km da Terra, cerca de 1,6 bilhões de km mais longe que Plutão.

Arrokoth é bastante exótico. As observações da sonda revelaram uma coloração vermelha e um formato composto por dois corpos que se fundiram, ambos surpreendentemente achatados. Ele é considerado um binário de contato - um corpo formado por dois objetos que lentamente gravitaram um em direção ao outro até colidirem e se fundirem. Por isso Arrokoth parece um boneco de neve espacial, só que meio deformado.

Isso significa que Arrokoth seria um corpo primordial, ou seja, ou planetesimal, que seria a fase inicial da formação de um planeta. Tudo isso foi a sugestão de um estudo apresentado pela equipe da New Horizons em maio de 2019, após o sobrevoo da sonda por lá. E parece que essa dedução resistiu ao teste do tempo.

É que a equipe da missão publicou três novos artigos sobre o Arrokoth na última quinta-feira (13), dessa vez com 10 vezes mais dados do sobrevoo. No estudo do ano passado, toda essa quantidade de informações ainda não estava disponível, mas agora os cientistas puderam se debruçar sobre esse volume de dados e concluir o estudo. Os resultados confirmam e ampliam as primeiras conclusões sobre o Arrokoth e descrevem a história da origem do objeto.

De acordo com o pesquisador principal da New Horizons, Alan Stern, co-autor dos três novos estudos, "Arrokoth nos contou como os planetesimais se formam e, portanto, foi um grande avanço em nossa compreensão da formação de planetas".

Duas teorias

Uma teoria mais antiga sobre a formação planetesimal é chamada "acréscimo hierárquico", e postula que esses “blocos de construção” planetários são criados ao longo do tempo por colisões em alta velocidade de objetos vindos de vários lugares. Em contrapartida, uma nova teoria surgiu no início deste século, e sugere a formação por colapso de nuvens.

Houve um debate considerável entre os defensores das duas teorias nas últimas duas décadas. Mas os três novos estudos sobre Arrokoth apresentam fortes evidências para um dos lados da discussão ganhar mais força. "Com Arrokoth, existem meia dúzia de linhas de evidência que apontam para o colapso de nuvens, e você não pode explicá-las com acréscimo hierárquico", disse Stern.

Em um dos novos artigos, pesquisadores liderados por William McKinnon descrevem uma modelagem computacional detalhada dessa fusão. As simulações indicaram que os dois lóbulos do objeto provavelmente se formaram a partir da mesma nuvem de material, tornaram-se um objeto binário que se uniram de maneira lenta e não destrutiva. Os modelos determinam uma velocidade máxima de 15 km/h para essa colisão acontecer com sucesso.

Esse cenário é reforçado ainda mais pelo alinhamento geométrico dos dois lóbulos de Arrokoth. Isso sugere que a dupla de rochas, quando separadas, orbitava o mesmo centro de massa.

Outro dos novos estudos, liderado por John Spencer, analisa a geologia e geofísica de Arrokoth, que também apontam para uma origem de colapso das nuvens. Por exemplo, a densidade de crateras em Arrokoth indica que o objeto é antigo, com uma superfície de no mínimo 4 bilhões de anos.

No terceiro artigo, Will Grundy e seus colegas investigaram a composição de Arrokoth e descobriram que o objeto é frio e extremamente vermelho, com gelo de metanol e materiais orgânicos contendo carbono em sua superfície quase homogênea. Esses orgânicos complexos provavelmente são responsáveis ​​pelo tom vermelho do objeto, escreveram os pesquisadores. Isso também é consistente com a teoria do colapso das nuvens.

Outros especialistas concordam que os estudos apontam para a teoria do colapso das nuvens. Um deles é o professor de astronomia Anders Johansen. "Na teoria da acumulação de seixos, a formação de planetas acontece à medida que os maiores planetesimais continuam a crescer acumulando seixos", explica Johansen.

Para ele, “o fato de Arrokoth se formar a partir de uma nuvem de seixos pode significar que os núcleos sólidos dos planetas gigantes - Júpiter, Saturno, Urano e Netuno - se formaram a partir de grandes planetesimais que continuaram a acumular seixos. E talvez até os planetas terrestres do Sistema Solar deva sua existência ao acúmulo de seixos”.

#universomisterioso #space #universe

Postar um comentário

0 Comentários